FORMATAÇÃO DE REDES
FORMATAÇÃO DE REDES
Formação de um Plano de Negócio, com estudo de viabilidade e orientação estratégica no apoio em formatação de modelos sustentáveis de negócios em rede, tais como: unidades próprias, franquias, filiais, licenças ou outras formas de parceria.
EXPANSÃO DE FRANQUIAS
EXPANSÃO DE FRANQUIAS
Diagnóstico de oportunidades e planejamento detalhado da expansão com base em metodologias que garantem suporte e gerenciamento dos processos de crescimento e ocupação de mercado nacional, utilizando ferramentas e os melhores profissionais do mercado.
NOVOS NEGÓCIOS
NOVOS NEGÓCIOS
A elaboração e a gestão de um novo negócio é uma tarefa complexa e bastante distinta. Para alcançar o sucesso não basta ter apenas uma boa idéia na cabeça e um pouco de capital. É necessário, antes de tudo, análise de mercado, planejamento e estratégia empresarial.

Franquias

O que dizem nossos clientes

James Bortolini  - Sócio Proprietário TECHNOS ESCOLA
James Bortolini - Sócio Proprietário TECHNOS ESCOLA
O trabalho da Alfa consulting foi fundamental para que pudéssemos perceber a real necessidade da padronização de nossos processos. Temos sim uma empresa organizada e produtiva mas com a Alpha consulting conseguimos perceber que poderíamos fazer muito mais com menos trabalho e recursos otimizando processos com foco na eficiência e qualidade, é muito bom trabalhar ao lado de pessoas capacitadas, focadas e com uma visão externa do seu negócio. Com a Assessoria crescemos duas vezes mais do que na média dos últimos 5 anos. Sócio Proprietário - TECHNOS ESCOLA
Nadia Cristina Benitez  - Presidente Franqueadora Ginástica do Cérebro Franquias
Nadia Cristina Benitez - Presidente Franqueadora Ginástica do Cérebro Franquias
Trabalhar com a consultoria da Alfa Franquias foi muito importante para o alinhamento da empresa. Tivemos a certeza que o crescimento da marca está sempre atrelado aos bons parceiros que trabalham conosco. E a equipe do Dr. Faisal é realmente muito qualificada! Nadia Cristina Benitez - Presidente Franqueadora Ginástica do Cérebro Franquias
Ronaldo Amauri Araujo - CEO Yes Models
Ronaldo Amauri Araujo - CEO Yes Models
Conheci a Alfa Franquias há um ano, primeiramente um contato de troca de experiências e novas ideias, em seguida, iniciamos o trabalho da formatação de um sonho, sonho este que foi potencializado e oportunizado pelos grandes profissionais que esta empresa tem, liderada pelo Faisal, ao longo deste período me senti cada vez mais seguro e com uma visão mais clara do potencial de meu negócio que nem eu mesmo tinha. Hoje, agradeço muito a toda esta equipe de profissionais maravilhosos, que mesmo nas minhas incertezas, sempre estiveram prontos a discutir em alto nível as soluções e novos insights, passando segurança e profissionalismo acima de tudo. Ronaldo Amauri Araujo - CEO Yes Models

Últimas notícias

Ver mais
Conheça todas as taxas cobradas pelas franquias e entenda para que elas servem Conheça todas as taxas cobradas pelas franquias e entenda para que elas servem
Segundo notícia publicada no https://www.portaldofranchising.com.br/franquias/taxas-cobradas-pelas-franquias/

As franquias atraem empreendedores e investidores por terem modelos operacionais já testados e que deram certo em um ou mais locais das cidades.

Mas esse sucesso não é conquistado de forma tão simples.

Para chegar até aí, as redes franqueadoras tiveram de estudar estratégias de operação que, por muitas vezes, passam por mudanças e adaptações durante um determinado período para que alcancem o desempenho desejado no mercado.

E é exatamente por deter esse know-how (conhecimento) que elas cobram algumas taxas de seus franqueados, para que estes tenham acesso à toda informação estratégica da marca e possam chegar o mesmo sucesso das lojas próprias.

Abaixo, você entenderá para que servem todas essas taxas cobradas pelas franquias.

Antes de falarmos sobre elas, é preciso entender que algumas franquias cobram alguns tipos de taxas, enquanto outras não.

Os fatores que determinam essa cobrança ou a falta de alguma das taxas podem ser as mais diversas, desde o segmento do negócio até um acordo entre as partes.

Antes de fechar o negócio, portanto, certifique-se de que tudo aquilo que será cobrado, além das atribuições de cada um, deverá estar no contrato de franquia.

Já ao receber a Circular de Oferta de Franquia (COF) o investidor poderá ter acesso à todas as informações referentes a quais cobranças a franqueadora poderá fazer junto ao franqueado e por qual motivo.

Para a especialista em franchising e sócia-diretora da consultoria ba|STOCKLER, Angelina Stockler, a fim de evitar desgastes futuros, é imprescindível que o investidor e a franquia tratem das taxas da forma mais transparente possível.

“Como costumamos dizer, o combinado não sai caro.

Antes de finalizar o processo de aquisição da franquia, o investidor tem de tirar todas as dúvidas possíveis com a franqueadora.

As taxas são uma das partes mais importantes a serem debatidas.

E quanto mais transparência entre os lados, menor a chance de haver problemas futuros.

Então, se você é franqueador, não esconda possíveis cobranças de taxas de seus franqueados.

E se você é franqueado, honre com os débitos cujos quais você aceitou, em contrato, com a cobrança”.

Vale lembrar também que, ao incluir um novo franqueado em sua base de negócios, as marcas assumem algumas despesas como a divulgação do negócio em diversos canais midiáticos (sites, revistas, jornais, blogs e redes sociais), eventos, anúncios, entre outros.

Até mesmo para buscar candidatos com perfil e capital necessários para ingressar na rede a franquia pode vir a gastar, em média, entre R$ 10 mil a R$ 15 mil para cada novo franqueado que efetiva a sua aquisição, segundo uma pesquisa realizada pela consultoria Grupo Cherto.

Conheça um pouco sobre as taxas cobradas pelas franquias e entenda, de fato, para que elas servem:

 

Taxa de franquia

A Taxa de Franquia é a primeira taxa apresentada e cobrada ao franqueado.

Ela representa o seu ingresso à rede e serve também como um custo pela transferência de know-how da franqueadora para o franqueado.

Nela, estão inclusos também itens como: treinamento inicial, suporte de implantação e todas as ações do franqueador para viabilizar o início da operação da franquia.

Por vezes, a taxa de franquia também pode ser denominada como: taxa de licença, taxa inicial ou franchise fee.

Ela é cobrada uma única vez na validação do contrato entre a rede e o franqueado.

Ao final do acordo, a renovação pode constar uma nova cobrança da taxa de franquia. Os contratos costumam gerar em torno de 5 anos.

Em algumas ocasiões, as redes podem optar por não cobrar a taxa de franquia.

Nesse caso, ela pode estar inserida em outros itens e taxas, o que vale uma atenção especial do franqueado.

Quando as franquias abrem mão da taxa de franquia, o objetivo comum é expandir a rede de forma mais rápida e atrair candidatos pela não cobrança do item.

De qualquer forma, mesmo sem a cobrança da taxa, a rede segue obrigada (pela lei de franquias) a oferecer todo o suporte e transferência do conhecimento para o franqueado.

Na maioria dos casos, as redes alocam a taxa de franquia junto ao investimento inicial. Certifique-se de avaliar com cautela os termos do acordo.

Itens inclusos na taxa de franquia:

  • Programa inicial e treinamentos
  • Manuais de operação do negócio
  • Apoio e suporte da franquia nos primeiros passos do negócio
  • Direito de uso da marca
  • Assistência no projeto arquitetônico
  • Assistência na escolha do ponto comercial

 

Taxas de Royalties

Uma das mais conhecidas taxas cobradas pelas franquias são os famosos royalties.

Eles correspondem à cobrança pelo uso da marca e pelo know-how contínuo (ou enquanto durar o contrato) entre franquia e franqueado.

As redes costumam cobrar essa taxa mensalmente e ela geralmente é calculada com base em um determinada porcentagem do faturamento bruto da unidade.

As marcas utilizam esse valor arrecadado com seus parceiros para a criação de pesquisas para novos produtos e serviços, além da melhora constante da qualidade da empresa.

Os royalties também são utilizados para cobrir despesas do franqueador com ações voltadas aos franqueados, como treinamentos, atualização de manuais, convenções de venda, etc.

Em alguns segmentos, como o de serviços, por exemplo, por não exigirem a necessidade de fornecimento de produtos às unidades as taxas podem ser menores.

Em média, entre 4% e 10% do faturamento bruto mensal de cada franqueado.

A regra foi determinada dessa forma por conta da menor necessidade de investimentos em estoques por parte da empresa.

Em outros casos, como no segmento de alimentação e o franqueador é o fabricante do produto, a taxa de royalties é calculada a partir das compras realizadas no período de um mês.

Nesses casos, o franqueado pode chegar a pagar em torno de 20% a 40% de taxa sobre o valor total das suas compras.

Itens inclusos na taxa de royalties:

  • Tecnologia oferecida pela franqueadora
  • Uso da marca
  • Fornecimento de produtos
  • Pesquisas
  • Desenvolvimento de novos produtos
  • Ações e eventos voltados aos franqueados

 

Taxas de propaganda

Também conhecida como taxa de marketing, a taxa de propaganda é a contribuição do franqueado para o marketing institucional e outras ações que favoreçam e ajudem a divulgar toda a rede.

Ela pode se apresentar também por porcentagem de faturamento ou valor fixo, habitualmente mensais.

As franquias que atuam no Brasil cobram entre 2% a 5% do faturamento bruto das unidades como taxa de propaganda.

Vale ressaltar que o fundo para fomento de propaganda e marketing formado com a cobrança da taxa de propaganda é de propriedade integral dos franqueados.

Eles não só podem como devem ter acesso às informações relativas aos eventuais gastos pagos com valores do fundo.

Itens inclusos na taxa de propaganda ou marketing:

  • Estratégias publicitárias e marketing
  • Ações institucionais de promoção da marca
  • Divulgação de produtos
  • Campanhas

 

Taxas de sistema

As taxas de sistema não são cobradas por todas as redes de franquias.

Uma parte delas apenas incide este pagamento aos seus franqueados, geralmente pelo uso de tecnologias e sistemas que demandam altos custos de manutenção, como PCs e softwares específicos, além de aplicativos.

Os seus custos também poder ser fixos ou variáveis.

Ao analisar a COF, confira se este item está incluso ou não no contrato.

Itens inclusos nas taxas de sistemas:

  • Manutenção de equipamentos e assistência técnica
  • Atualização de softwares
  • Implementação de tecnologias
  • Aplicativos
  • Manutenção de site para franqueados (centrais)
  • Sistemas integrados

 

Taxa de serviço

Por vezes, é necessário que a franqueadora efetue um serviço na unidade franqueada que não estava planejado (extras).

Caso ele não esteja alocado em nenhuma das taxas mencionadas acima, a franquia pode efetuar a cobrança de uma taxa de serviço para cobertura desses gastos imprevistos.

Os valores também podem depender e variar de acordo com a necessidade na ocasião.

Evite ser pego de surpresa com taxas exorbitantes ao analisar se o item está incluso no contrato de franquia.

  • Assistências gerais
  • Atuação em situações imprevistas
  • Serviços extras não inclusos em outras taxas

 

Taxa de renovação

Como o próprio nome diz, a taxa de renovação diz respeito ao prolongamento do acordo entre franqueador e franqueado, que costuma durar cinco anos.

Ela pode ou não estar inserida na taxa de franquia, o que também deve estar demonstrado em contrato.

Os valores cobrados geralmente são os mesmos da primeira vigência, com adição de juros e inflação do período.

Vale negociar com franqueadores todos esses custos, já que é de interesse mútuo a continuação do acordo.

Itens inclusos na taxa de renovação:

  • Renovação do contrato de franquia

 

Recomendações finais

Agora que você já sabe quais são as taxas cobradas pelas franquias, lembre-se de que, como franqueado, é seu direito, garantido pela lei de franquias, ter acesso livre aos fundos derivados dessas cobranças, inclusive-se às informações de como os valores estão sendo utilizados e por quais motivos.

Todas elas devem constar na COF e no contrato final de franquia.

Por isso, faça uma análise minuciosa do documento a fim de evitar surpresas desagradáveis no futuro.


Fonte: https://www.portaldofranchising.com.br/franquias/taxas-cobradas-pelas-franquias/

Por Sammy Eduardo

 

Marco Regulatório da Franquia traz novidades Marco Regulatório da Franquia traz novidades
Segundo portal: https://www.negocioefranquia.com/nova-lei-da-franquia

Marco Regulatório do Franchising amplia a atuação do setor de franquias e traz novidades

Essa semana o setor de franquias teve um grande avanço. No último dia 6 de novembro foi aprovado no senado o marco regulatório da franquia. Agora, o projeto de lei vai à sanção presidencial, que tem 15 dias para ocorrer, e entra em vigor 90 dias após sua publicação no diário oficial.

A lei 8955 foi assinada pelo então presidente Itamar Franco em 1994 e já se passaram 25 anos sem alterações. As mudanças trazem clareza de entendimento entre as partes.

Dentro deste marco da franquia, ficou mais claro e transparente o afastamento do vínculo empregatício entre franqueador e franqueados e entre franqueadora e empregados dos franqueados.

Outro ponto importante está com a não aplicação do código de defesa de consumidor, já que não existe relação de consumo entre as partes.

Setor público e sociedade de economia mista

A grande novidade está com a inclusão de entidades públicas e suas licitações no sistema de franquias. A nova legislação autoriza empresas públicas e sociedades de economia mista a adotarem o sistema de franquia. Neste caso, a circular de oferta será divulgada no início do processo de licitação.

As mudanças chegam para atender demandas de setores importantes. A partir de agora, com o marco regulatório da franquia, poderão atuar no segmento de franquias entidades sem fins lucrativos, que adotam o sistema há muitos anos, com a padronização, mas não tinham segurança jurídica sobre a sua aplicabilidade.

Um exemplo da importância desta alteração na legislação está a possibilidade de inclusão de associações de proteção veicular. Elas poderão, por exemplo, atuar de forma assertiva dentro do modelo de negócios.

A circular de oferta de franquia permanece sendo o grande destaque da lei e este documento que vai garantir todos os direitos e deveres do franqueador e do franqueado. Cabe ressaltar que todas as franquias deverão em pouco tempo alterar os documentos para adequar a nova legislação. Ter empresas especialistas no segmento será a maneira mais ágil de adequar-se.

O que muda com o Marco Regulatório da Franquia?

  • Ausência de relação de consumo entre franqueador e franqueado;
  • Ausência de vínculo empregatício seja em relação ao franqueado ou a seus empregados, ainda que em período de treinamento;
  • Regulamentação da franquia pública;
  • Possibilidade de sublocação do ponto comercial pelo franqueador ao franqueado;
  • Punição por omissão ou veiculação de informações falsas na cof;
  • Validade da eleição do juízo arbitral pelas partes.

Fonte: Portal https://www.negocioefranquia.com/nova-lei-da-franquia


História do Franchising no Brasil História do Franchising no Brasil
História do Franchising no Brasil

No Brasil, o sistema só começou a ser utilizado na década de 1960 com o surgimento das escolas de idiomas Yazigi e CCAA. Naquela época, o negócio ainda não era tão bem estruturado como é hoje, e se baseava muito mais na transferência de know-how através do material didático.

Na década de 1970, o modelo de franchising ficou mais organizado e marcas de segmentos diversos começam a adotá-lo como estratégias de expansão. Exemplos são Boticário, Ellus, Água de Cheiro etc. No mesmo período também desembarcaram por aqui algumas marcas americanas como McDonalds, com um trabalho forte de internacionalização. As redes de varejo nas áreas de confecções, acessórios e cosméticos começaram a empregar o franchising principalmente com o desenvolvimento de shopping centers e o fortalecimento da interiorização do país. Atualmente? do faturamento dos shoppings são provenientes de redes de franquias.
Entretanto, foi na década de 1980 que o movimento do franchising realmente ganhou força no país, com um boom de empresas adotando o sistema. Para organizar a atividade, surge, em 1987, a Associação Brasileira de Franchising (ABF). Com a criação da ABF, o setor pôde amadurecer, o que levou, mais tarde, à publicação da lei nº 8.955/1994, que dispõe sobre o contrato de franchising e dá outras providências.
Com a aprovação da lei, o franchising teve uma adesão ainda maior no Brasil, pois a partir disso os empreendedores se sentiram mais seguros para investir nesse modelo de negócio. Assim, na década de 1990, há um crescimento considerável do setor, com o aprimoramento das técnicas de gestão, de repasse de conhecimento e de organização do franchising. Nesse período, começam a se destacar no mundo dos negócios as franquias de serviços, com franqueados cada vez mais exigentes e informados. Essa profissionalização das pessoas envolvidas com o modelo de franchising ocorreu muito por conta da chegada da internet e da aceleração do movimento de globalização.

Franchising brasileiro hoje

A partir da década de 2000, o modelo de franchising continuou a crescer no Brasil. Segundo dados da ABF, de 2014 para 2015 o setor de franquias brasileiro faturou 8,3% a mais, com um crescimento contínuo desde 2011. No mesmo intervalo de tempo também cresceu o número de unidades franqueadoras (+4,5%), o número de unidades de franquias (+10,1%) e o número de empregos diretos gerados pelo setor (+8,5%) . Ou seja, o franchising brasileiro ainda está em momento de expansão e crescimento e muitos capítulos de sucesso ainda serão escritos na história do setor.
O que se pode observar hoje é um movimento de internacionalização do franchising brasileiro, com marcas de franquias espalhadas por 60 países. Em 2015, segundo a ABF, eram 135 redes brasileiras com presença no exterior (110 com unidades e 24 exportadoras). Em 2014, eram 106 marcas (96 com unidades e 10 com exportação).
Segundo os especialistas, hoje o franchising vive sua 4º Geração, conhecida como a era do Learning Network (Rede do Aprendizado Contínuo). Nesse momento, vemos cada vez mais todos os membros da rede participando ativamente dos rumos da empresa franqueadora, auxiliando nas decisões estratégicas. Em um mundo repleto de novas tecnologias, a velocidade e a quantidade de informações são muito maiores e o repasse de know-how pode ser feito de diversas maneiras, por meio de sistemas integrados como o da Central do Franqueado. No contexto contemporâneo, é a rede (muitas vezes virtual) entre franqueados e franqueadores que vem tornando o modelo de franchising ainda mais forte.

De olho nas tendências, Banneg oferece diversidade de produtos e parceiros aos franqueados. De olho nas tendências, Banneg oferece diversidade de produtos e parceiros aos franqueados.

Segundo o site Portal do Franchising:

Prestes a completar 11 anos no mercado como banco de negócios, o Banneg tem como objetivo apresentar as melhores soluções financeiras, tanto para os franqueados, quanto para o público final.

De olho na mudança da economia e dos hábitos de consumo, a rede de franquias conta com a possibilidade de financiamento de placas solares.

De acordo com Odair Bellentani, diretor comercial do Banneg, é função da franqueadora antecipar tendências, como o financiamento de placas solares.

Absolar (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica) acredita que os negócios de energia solar devem movimentar mais de R$ 5 bilhões em 2019.

“As fontes de energia renováveis são uma tendência global, não apenas por proporcionar economia aos consumidores e valorizar seus empreendimentos imobiliários, mas especialmente por favorecer a preservação do meio ambiente, ao reduzir a dependência de grandes usinas hidrelétricas e térmicas”, explica Bellentani .

Com a franquia do Banneg, o investidor consegue contribuir com o aquecimento econômico do setor e faturar.

O projeto de instalação das placas é de responsabilidade da EcoPower, empresa parceira homologada da rede, que já tem milhares de projetos espalhados por todo território nacional.

É possível financiar o valor total dos projetos para casas, prédios residenciais e comerciais, indústrias e propriedades rurais em até 60 meses.

Além da execução do projeto e financiamento de placas solares, o Banneg ainda disponibiliza aos franqueados, uma grande variedade de produtos financeiros para oferecer aos clientes, como créditos pessoal e consignado, consórcios, financiamentos (carro, moto e casa) e até mesmo maquininha de cartão, a PayGo.

A rede de franquias de serviços financeiros foi fundada em 2008 e entrou para o franchising em 2017.

Hoje, possui 132 unidades em operação em todo o Brasil.

O lucro inicial mensal de uma unidade está em R$ 17 mil reais.

FONTE: https://www.portaldofranchising.com.br/franquias/banneg-oferece-produtos-aos-franqueados/

Vídeos em Destaque

Ver mais
Papo de Franquias - Importância do Relacionamento com Franqueados
Papo de Franquias - Panorama jurídico do franchising
TORNE SUA MARCA UMA REDE DE FRANQUIAS
Faça sua empresa crescer, torne-a conhecida.